Se você já leu o texto nas redes sociais, comece a ler pelos “Extras”.

A pandemia afetou a saúde mental da população em todo o mundo. Professores precisaram mudar a forma de ensinar e de interagir com seus alunos e muitos adaptaram as aulas, aprenderam a usar ferramentas digitais e até compraram equipamentos com dinheiro próprio. Isso tudo foi somado a condições pré-pandemia já estressantes, com turmas grandes, carga horária excessiva de trabalho, situações de insegurança em regiões violentas, baixa remuneração e necessidade de prestar suporte psicossocial para alunos. 

Por isso, mesmo depois que o ensino voltar totalmente ao modo presencial, saúde mental e resiliência dos professores continuam sendo temas que merecem muita atenção. Pesquisadoras da Universidade de Columbia fizeram um levantamento de estudos realizados nos últimos 20 anos que propuseram estratégias para melhorar a saúde mental e a resiliência de professores. Os estudos mostraram que a prática de meditação ativa ou passiva, acompanhamento psicológico e treinamentos de habilidades emocionais e de autocuidado reduziram níveis de stress e melhoraram a regulação emocional dos professores. Atividades físicas regulares, independente da intensidade, também contribuem para redução e prevenção de stress.

Essas atividades costumam ter um efeito positivo a médio e longo prazo, porém, investir tempo e energia já escassos nisso pode gerar uma carga mental ainda maior no curto prazo. Então, além das iniciativas individuais, o estudo também aponta que são necessários investimentos institucionais e elaboração de políticas públicas. O estudo destaca criar um ambiente seguro tanto do ponto de vista físico em locais violentos, como do ponto de vista psicológico, desencorajando cargas de trabalho excessivas, promovendo uma cultura de balanço entre trabalho e atividades pessoais e evitando demissões desnecessárias. Outra recomendação é implementar a criação de redes de suporte que gerem um ambiente colaborativo entre professores e a equipe educacional. Finalmente, é importante que a equipe administrativa tenha uma relação colaborativa com professores, com foco em educação de qualidade em vez de priorizar métricas e sistemas arbitrários de avaliação. 

Extras 

Relação da saúde mental com satisfação no trabalho

Um estudo realizado com 285 professores de ensino médio da Itália encontrou um padrão de saúde mental muito preocupante. Mais da metade dos professores participantes da pesquisa informaram ter uma saúde mental moderada a abatida, 24% reportaram ter depressão, 22% exaustão emocional e 9,5% despersonalização (sensação de ser um observador externo da própria vida). 

O estudo demonstrou uma correlação entre boa saúde mental e eficácia e satisfação com o trabalho realizado. Os pesquisadores também observaram que aspectos estruturais da escola como tamanho da escola, idade dos alunos e estabilidade afetam a eficácia e o bem estar dos professores. Professores com contrato permanente, que têm maior estabilidade do emprego, apresentaram níveis melhores de saúde mental e autoconfiança do que professores com contrato temporário.

Então, estratégias que melhoram a autoconfiança e a sensação de estabilidade no emprego podem ajudar professores a terem um melhor desempenho no trabalho. Isso gera uma satisfação maior com a rotina e melhora a saúde mental.

Meditação

Em março de 2021, publicamos aqui no blog uma série de textos sobre meditação. Quer conhecer mais sobre a prática e seus benefícios? Leia os textos abaixo.

A prática de meditação

Benefícios da meditação: doenças cardíacas

Meditação: dor crônica e envelhecimento

Meditação: como praticar

Referências:

Aperribai, L., Cortabarria, L., Aguirre, T., Verche, E., & Borges, Á. (2020). Teacher’s Physical Activity and Mental Health During Lockdown Due to the COVID-2019 Pandemic. Frontiers in Psychology, 11(November), 1–14. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2020.577886

Capone, V., & Petrillo, G. (2020). Mental health in teachers: Relationships with job satisfaction, efficacy beliefs, burnout and depression. Current Psychology, 39(5), 1757–1766. https://doi.org/10.1007/s12144-018-9878-7Kangas-Dick, K., & O’Shaughnessy, E. (2020). Interventions that promote resilience among teachers: A systematic review of the literature. International Journal of School and Educational Psychology, 8(2), 131–146. https://doi.org/10.1080/21683603.2020.1734125

Foto de capa: Tim Mossholder em Unsplash

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.