Na última semana falamos sobre os efeitos de uma dieta onívora, vegetariana e vegana na nossa saúde. Nos últimos anos, muitas pesquisas também têm sido feitas para descobrir o impacto dessas dietas no meio ambiente, principalmente pela necessidade da redução de emissões de gases do efeito estufa até 2035. Nesse texto vamos explorar sobre o que tem sido descoberto até o momento.

Muitas pesquisas recentes mostram que a redução total ou parcial da ingestão de carne ou derivados de animais pode trazer benefícios para o meio ambiente. Por exemplo, um estudo realizado na Itália em 2017 comparou o impacto de uma dieta onívora, vegetariana e vegana no meio ambiente. Pessoas com uma dieta onívora usaram maior quantidade de carbono e água para a produção de alimentos quando comparados com ovo-lacto-vegetarianos e veganos, os quais não apresentaram diferenças significativas entre si (1). 

Mesmo as melhores produções de carne ainda produzem mais gases do que as produções com base em proteínas de plantas. Um estudo demonstrou que além de trazer benefícios à saúde, a redução do consumo de carne poderia levar a uma diminuição de 29 a 70% nas emissões de gases do efeito estufa até 2050 (2). Porém, é necessário levar em conta que produtos à base de plantas também podem custar caro para o nosso planeta. No estudo mencionado no parágrafo anterior, apesar de ter sido observado que pessoas que comem carne causam maior impacto ao meio ambiente do que ovo-lacto-vegetarianos ou veganos, dois indivíduos veganos que participaram do estudo apresentaram maior impacto no meio ambiente do que os onívoros, pois se alimentavam principalmente de frutas, cerca de 7-8kg por dia (1). O transporte de frutas, vegetais, e legumes, por exemplo, pode causar mais emissões de gases do que se comprarmos um frango diretamente de uma granja perto da nossa casa. Além do gasto de carbono com o transporte do alimento, outros fatores são importantes para o meio ambiente, como o uso de fertilizantes que é responsável por pelo menos 3% do total de emissões de gases na atmosfera, o qual é usado em maior ou menor quantidade dependendo do alimento. Outro fator é o gasto de água. Avocado, por exemplo, é cheio de nutrientes e fonte de proteínas, porém, uma planta de avocado requer muita quantidade de água para gerar frutos em regiões secas na Califórnia, Chile e México e sul da Espanha. Assim, um simples avocado necessita de 272 litros de água para ser produzido nessas regiões. O alto gasto de energia na produção de alimentos e também o desmatamento afetam o meio ambiente. A produção de algumas variedades de cogumelo necessita de elevados gastos de energia para manter o local onde os cogumelos são cultivados aquecido, assim, nos Estados Unidos, para produzir 1 quilo de cogumelo são emitidos até 3kg de gás carbônico. No caso do cacau, sua produção em larga escala está associada ao fim de parte de florestas tropicais como a Amazônia, sendo que para a produção de 1 kg de chocolate, são emitidos 11.2kg de gás carbônico na atmosfera (3). 

As conclusões que podemos tirar desses estudos e dados é que a redução da ingestão de carnes e derivados de animais associada ao conhecimento sobre como o alimento que compramos é produzido e chega até a nossa mesa podem sim trazer benefícios para o nosso planeta. Porém, é necessário levar em conta que políticas governamentais são necessárias para que o cenário atual sobre os impactos dos alimentos no meio ambiente realmente melhore. Um professor da Universidade da Califórnia explica que pesquisas indicam que ser vegano por dois anos tem o mesmo impacto na economia de emissões de carbono do que apenas um voo dos EUA para a Europa (4). Os governantes poderiam, por exemplo, aumentar o preço de carnes e melhorar o preço de alimentos produzidos de forma sustentável. Assim, podemos concluir que além de termos de escolher bem o que comemos, também devemos escolher bem em quem votamos nas próximas eleições. Na próxima semana vamos dar dicas sobre sites com receitas vegetarianas e veganas. Até lá!

Por Bianca Ribeiro

Referências

  1. Rosi, A., Mena, P., Pellegrini, N. et al. Environmental impact of omnivorous, ovo-lacto-vegetarian, and vegan diet. Sci Rep 7, 6105 (2017). 
  2. https://www.bbc.com/future/article/20200211-why-the-vegan-diet-is-not-always-green Acessado em 24 de abril de 2022.
  3. M. Springmann, H.C.J. Godfray, M. Rayner, P. Scarborough. Analysis and valuation of the health and climate change cobenefits of dietary change. Proc. Natl. Acad. Sci., 113 (15) (2016).
  4. https://www.theguardian.com/lifeandstyle/2021/apr/25/going-vegan-can-switching-to-a-plant-based-diet-really-save-the-planet Acessado em 24 de abril de 2022.

Imagem de capa: www.freepik.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.