Quando eu era criança um dos meus programas favoritos era o “Castelo Rá-Tim-Bum”. Em meio a tantas histórias e aprendizagens, um simpático ratinho (imagem 1) cantava músicas que me lembro até hoje. As mais conhecidas eram “Lavar as mãos” e “Tomando banho” que ensinavam às crianças hábitos de higiene pessoal. Hoje em dia, somos sugestionados por inúmeras propagandas a acreditar que isso não é o suficiente e que temos que comprar os sabonetes chamados bactericidas. Na maioria das vezes, os comerciais nos vendem a ideia que esses sabonetes eliminam 99,9% das bactérias de nosso corpo e que isso nos garante a saúde. Mas apesar de parecerem tão “milagrosos”, será que esses sabonetes realmente são eficientes?  E será que eliminar todos esses “germes” de nosso corpo é bom?  Leia nosso texto e descubra!

A premissa que essas propagandas nos passam, de que eliminar 99,9% dos “germes” do nosso corpo garantirá a nossa saúde, já é errada. Sim, caro leitor, temos que ressaltar que ter bactérias e outros micro-organismos em nosso corpo é fundamental para a nossa saúde! Como vimos no texto especial “Eu, ecossistema” (acesse aqui) nosso corpo é um verdadeiro ecossistema, formado por bactérias, fungos, vírus e protozoários, todos coexistindo em harmonia. A grande maioria desses organismos são benéficos e auxiliam na nossa saúde. Somente quando algum desequilíbrio acontece nessa comunidade é que ficamos doentes.

ratinho-castelo-ratimbum-1
Imagem 1: ratinho do Castelo Rá-Tim-Bum

Mas vamos considerar que eles sirvam para eliminar apenas os micro-organismos “vilões” do nosso corpo, aqueles que podem nos causar doenças. Seriam esses sabonetes mais eficientes do que os normais? A resposta é não. Um estudo recente revelou que os sabonetes bactericidas com o agente anti-séptico triclosan, que teriam a capacidade de matar bactérias e outros “germes”, não são mais eficientes que os sabonetes normais.

Em laboratório foram simuladas condições normais de higiene das mãos (água em temperatura ambiente ou morna e tempo de lavagem de aproximadamente 20 segundos) usando-se os sabonetes com triclosan e sabonetes normais. Os resultados mostraram que o sabonete bactericida não é mais eficaz que o normal para reduzir a contaminação por bactérias, ou seja, nas condições “reais” em que lavamos as mãos, ambos têm o mesmo efeito.

O sabonete bactericida só foi mais eficiente que o comum após 9 horas de exposição, ou seja, em condições bem diferentes das reais, afinal ninguém lava suas mãos durante todo esse tempo! É claro que esse estudo foi realizado apenas com um grupo de sabonetes anti-bacterianos, mas é bom ficarmos atentos a essas propagandas e desconfiar de qualquer produto que seja “milagroso”.

Mas como se prevenir desses micro-organismos que nos causam doenças? Lavar as mãos com água e sabão, e não somente água, é o suficiente para eliminar grande parte desses “germes” que podem nos causar diarreias, viroses, gripes e resfriados.

Então, independente de qual sabonete usar, os “bons e velhos” hábitos de higiene pessoal continuam valendo para garantir uma boa saúde para todos nós!

E você, já tinha se perguntado se esses sabonetes são mesmo eficientes?

Deixe seu comentário na nossa página!

Até a próxima,

Por Nathália de Moraes

nathalia.esalq.bio@gmail.com

Referências

[1] Kim et al. (2015). Bactericidal effects of triclosan in soap both in vitro and in vivo. Journal of Antimicrobial Chemotherapy.

[2] Burton et a. (2011). The Effect of Handwashing with Water or Soap on Bacterial Contamination of Hands. Int. J. Environ. Res. Public Health.

[3] Imagem 1: http://teletilica.com.br/wp-content/uploads/2014/02/ratinho-castelo-ratimbum-1.jpg

[4] Imagem em destaque: http://www.medicalnewstoday.com/content/images/articles/270321-soap.jpg

2 Replies to “Sabonetes bactericidas: até que ponto são eficientes?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.