O café é, sem dúvidas, uma das bebidas mais consumidas pelo brasileiro e também muito apreciada pelas pessoas de todo o mundo. Puro, com leite, com chocolate, adoçado ou não, ele faz parte da rotina de muitos. Tido com um “vilão” há certo tempo, hoje sabemos dos muitos benefícios que o café pode nos proporcionar. Meu texto de hoje conta um pouco sobre uma descoberta que mostrou que o café pode estimular o crescimento de microrganismos da sua microbiota intestinal. Vamos conferir?

(E se você se interessa pelo assunto, um tempo atrás eu escrevi um texto sobre as propriedades do café e, também, contando algumas curiosidades a respeito dessa bebida. Você pode revê-lo aqui.)

 

Qual a relação entre alimentação e a nossa microbiota?

Probióticos (iogurte, alguns queijos, missô) e alguns outros alimentos tem propriedades nutricionais que ajudam a manter sua microbiota mais diversa e mais saudável. A microbiota é como um microecossistema que vive em nós, formada por diversas espécies de bactérias, fungos, protozoários e vírus, colaborando para a manutenção da nossa saúde. Os habitantes da microbiota conseguem inibir o crescimento dos microrganismos ruins e também são importantes na produção de vitaminas e absorção de nutrientes; por isso, um desbalanço na microbiota pode levar a um adoecimento. E, por outro lado, uma microbiota saudável equivale a um sistema imune mais forte, mais disposição física e mental e, portanto, mais saúde.

 

O que o café faz?

A pesquisa realizada por um grupo de holandeses usou amostra de fezes de mais de 1000 pessoas e sequenciou partes do DNA da população de microrganismos ali presentes. O objetivo era entender se hábitos de vida, como alimentação, auto-medicação, abuso de drogas e ingestão de bebidas alcoólicas, influenciaria na diversidade dos microrganismos presentes na microbiota. Sequenciando e analisando partes específicas (chamadas de marcadores) do DNA desses microrganismos os cientistas conseguiram estabelecer relação entre alguns fatores com o aumento ou diminuição da população de microrganismos, principalmente bactérias.

Um dos resultados mais surpreendentes foi o de que, pessoas que ingerem café moderadamente, têm uma maior diversidade de espécies benéficas de microrganismos quando comparado com pessoas que não ingerem café. Essa pesquisa reforça o que outros estudos já tinham descoberto, de que o café em moderação pode aumentar a quantidade de bactérias benéficas do gênero Bifidobacterium no intestino humano.

É provável que isso aconteça pois o café possui fibras solúveis e compostos fenólicos que ajudam as bactérias do bem a se desenvolverem mais e mais rapidamente. Quando essas bactérias do bem estão em maior número elas deixam o intestino em condições de pH desfavoráveis para o crescimento de bactérias e outros microrganismos que causam diarréias e infecções intestinais.

 

Quais outros alimentos também ajudam a nossa microbiota?

Segundo a mesma pesquisa, o Kefir, o vinho, chá e até mesmo algumas bebidas fermentadas tem capacidade de ajudar nossa microbiota. Os alimentos ricos em fibras, por exemplo, são para nossas bactérias o que um fertilizante é para as plantas. Mas vale a pena ressaltar: toda dieta alimentar tem que ser diversificada e adequada as suas necessidades.

 

Mais um café?

O café tem propriedades nutricionais que ajudam a melhorar nossa microbiota e isso pode refletir em bem-estar físico e mental; vale ressaltar que muitas doenças (desde obesidade até diabetes) podem ser amenizadas melhorando-se nossos hábitos alimentares e, consequentemente, a diversidade desses pequenos seres vivos que nos habitam. Vale a pena tomar aquela xícara de cafezinho? Sim, e se for sem açúcar, melhor ainda!

 

Até a próxima,

Por Nathália de Moraes

nathalia.esalq.bio@gmail.com

 

*As referências estão ao longo do texto.

Imagem em destaque: Biocodex www.microbiote-intestinal.fr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.