Na semana passada, entendemos o que a ciência pode explicar sobre a lenda dos vampiros. Outro exemplo que mostra como um fenômeno biológico pode ser explicado e moldado de diversas formas no folclore é a Paralisia do Sono (Figura 1). Nessa condição, a pessoa tem uma paralisia dos músculos logo que acorda, estando consciente e vendo tudo que está ao redor, porém não conseguindo se movimentar. Quando dormimos, nossos músculos “paralisam” (ficam em atonia) e ao despertamos, eles voltam a funcionar normalmente. Quando ocorre a paralisia do sono, nosso cérebro está acordado, mas nossos músculos ainda não, o que leva à estranha sensação de estar paralisado.

Figura 1: Representação da paralisia do sono. Fonte: https://artrianon.com/2018/05/22/obra-de-arte-da-semana-o-pesadelo-de-johan-heinrich-fussli/

 

Como já foi citado brevemente, no folclore brasileiro, a lenda da Pisadeira (figura em destaque) é relacionada à paralisia do sono. No folclore japonês, kanashibari é traduzido como o estado em que se está totalmente paralisado (paralisia do sono), como se por correntes de metal. Nessa lenda, kanashibari seria uma forma de feitiço, que amaldiçoa os inimigos. 

Atacar os inimigos durante o sono também é a explicação folclórica dada pelos inuits (esquimós) que vivem no norte do Canadá. Neste caso, espíritos que se envolvem em conflitos podem amaldiçoar os inimigos durante o sono, momento no qual, para eles, a alma e o corpo estão mais separados e vulneráveis. Quando uma pessoa sofre esse ataque, ela acorda mas sente-se paralisada, podendo até alucinar, da forma como ocorre na paralisia do sono.

No folclore português, a paralisia do sono pode ser atribuída a outra criatura fantástica: o Fradinho das Mãos Furadas (Figura 2), que além de atrapalhar o sono, mexe nos móveis e nos objetos da casa que invade. 

Figura 2: Fradinho das Mãos Furadas
Fonte da imagem:
https://www.fne.org.br/index.php/artigos/4292-o-diabinho-da-mao-furada

 

Agora que vimos como a paralisia do sono é relatada em diversos folclores pelo mundo, devemos nos perguntar: mas o que a ciência diz sobre esse fenômeno? Bom, muitas pessoas que já sofreram episódios de paralisia do sono relatam alucinações que, segundo os cientistas, podem ser explicadas por variações na concentração de neurotransmissores, como a serotonina, relacionadas ao receptores dessa substância no nosso cérebro. Atualmente, existem fármacos que têm como alvo esses receptores, visando melhorar os sintomas da paralisia do sono, diminuindo as alucinações. 

Com tudo isso, podemos perceber que um acontecimento fisiológico pode ser explicado de várias maneiras distintas e se tornar uma lenda, passada de geração para geração, ganhando contornos sobrenaturais e místicos (principalmente quando não é bem compreendido). No entanto, a paralisia do sono pode trazer grande desconforto e, como qualquer distúrbio, precisa ser diagnosticada e deve ser tratada sempre que possível.

 

Por Nathália de Moraes

nathalia.esalq.bio@gmail.com

 

Referências

[1] https://pt.wikipedia.org/wiki/Paralisia_do_sono

[2]  https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5013036/pdf/fpsyg-07-01294.pdf

[3] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6208952/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.