A maior parte das plantas angiospermas (aquelas que produzem flores e frutos verdadeiros) precisa atrair polinizadores até suas flores, levando o grão de pólen (que contém o gameta masculino) até o estigma, a parte feminina da flor que o recebe. Quando os gametas masculino e feminino se encontram e há a fecundação, forma-se um embrião que futuramente dará origem a uma nova planta. Assim as plantas perpetuam a sua espécie.

Porém, atrair os polinizadores não é uma tarefa muito fácil. É preciso valer-se de artifícios que conquistem seu polinizador. Os polinizadores podem ser atraídos pelo néctar (líquido açucarado presente nas flores), pelo cheiro, pelo formato e pelas cores das flores. Uma pesquisa publicada em outubro de 2017 na revista Nature mostrou que algumas flores produzem, através de pigmentos nas pétalas e brácteas, uma ilusão que faz com que se pareçam azuis aos olhos de uma abelha, principal espécie polinizadora de muitas plantas.

Os cientistas já sabiam, a partir de pesquisas mais antigas, que as abelhas tendem a preferir flores que tem cores na escala azul-violeta, visitando-as com maior frequência. Porém, existem flores que não possuem os genes e/ou o aparato bioquímico necessário para produzir os pigmentos azul e violeta. Então, algumas destas flores conseguiram contornar essa situação, fazendo uso de ilusões óticas.

Os pesquisadores estudaram as nanoestruturas dos pigmentos presentes nas pétalas e brácteas de várias flores de diversas cores, distantemente relacionadas. Através dos estudos eles perceberam que os pigmentos se organizam de maneira bem específica, como estrias microscópicas, de forma que quando recebem a luz solar, absorvem alguns comprimentos de onda e refletem outros, formando um halo que varia do azul ao violeta. O mais impressionante é que mesmo as plantas distantemente relacionadas convergem para esse mesmo padrão de distribuição dos pigmentos.

Depois desta descoberta, os pesquisadores simularam em laboratório uma estrutura com esse mesmo padrão de distribuição de nanopartículas; colocaram então essa “flor” artificial na presença de zangões e observaram seu comportamento. Os zangões responderam ativamente, identificando essas flores com maior facilidade e visitando-as.

sunflower_halo

Fonte: Edwige Moyroud [3]

Segundo os pesquisadores, nós humanos não conseguimos enxergar esse halo da mesma forma como as abelhas enxergam e este se confundiria aos nossos olhos com um azul-petróleo ou até mesmo a cor preta (veja o círculo mais escuro na região central da inflorescência acima). Com esses e outros achados vemos o quanto a natureza nos impressiona com todas as suas sutilezas e artefatos!

Até a próxima

Por Nathália de Moraes

nathalia.esalq.bio@gmail.com

Referências

[1] Deheyn, D. D. (2017). How flowers get the blues to lure bees. Nature News & Views. doi:10.1038/nature24155. Acessado em novembro de 2017

[2] Ritter, M. (2017). Some flowers create blue halo to say hello to foraging bees. Acessado de https://www.yahoo.com/news/flowers-create-blue-halo-hello-foraging-bees-171313615.html em outubro de 2017.

[3] Phys Org. (2017). Petals produce a ‘blue halo’ that helps bees find flowers. Acessado de https://phys.org/news/2017-10-petals-blue-halo-bees.html em outubro de 2017.

[4] Imagem em destaque: https://aglowhouston.files.wordpress.com/2011/04/beeline1.jpg

One Reply to “Flores usam truques de física para atrair polinizadores”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.