Neste meu último texto do ano, vou tratar de um assunto super natalino e polêmico, ao mesmo tempo: a uva passa. Não vou tentar te convencer de que os pratos das festas de fim de ano devem conter uvas passas, mas para os adoradores dessa iguaria polêmica, aqui vai um ponto a favor!

Um estudo publicado neste ano (2017), realizado por pesquisadores de instituições americanas, agruparam resultados de 86 estudos sobre a relação entre o consumo de uva passa e a saúde humana. Veja abaixo um resumo das principais conclusões do trabalho.

 

Anti-oxidantes

Uvas passas, tanto as pretas como as brancas, são ricas em compostos antioxidantes. Elas contêm uma das maiores proporções de quantidade de antioxidantes, por porção das frutas secas avaliadas nos estudos (ex: ameixa, cereja, damasco), ficando atrás apenas das gojiberries.

Pesquisadores da Universidade Harokopio, na Grécia, testaram os efeitos de antioxidantes da uva passa na prevenção de câncer. Nos testes feitos em células cultivadas em laboratório, os antioxidantes foram capazes de inibir a proliferação das células tumorais e diminuir os fatores que levam a inflamações. Um grupo de pesquisadores da Faculdade Estadual da Virgínia, nos Estados Unidos, fez testes com homens e mulheres que estavam acima do peso e observaram um aumento moderado na quantidade de antioxidantes disponíveis no organismo após o consumo de grandes quantidades de uva passa (90g por dia).

Como o consumo de frutas secas normalmente é pequeno em dietas normais, os efeitos da ingestão de uva passa são normalmente detectado a longo prazo.

 

Fibras e saúde do intestino

Frutas secas, em geral, são uma boa fonte de fibras alimentares. Uma pessoa dificilmente conseguirá toda a fibra necessária apenas comento uvas passas, mas uma porção (cerca de, 43 g) contém aproximadamente 5% do recomendado para ingestão de fibras por dia.

Em um experimento, o consumo de pelo menos duas porções de uvas passas por dia levou a uma redução do tempo em que o bolo fecal ficou dentro do intestino e aumentou a massa das fezes. Além disso, a ingestão de uva passa aumentou a quantidade de lactobacilos e diminuiu a quantidade de bactérias prejudiciais no intestino.

 

Doenças cardíacas

Alguns componentes encontrados na uva passa, chamados polifenóis, podem reduzir a absorção de colesterol e diminuir a quantidade de triglicerídeos no sangue. Para que efeitos grandes sejam observados em pouco tempo (2 semanas), os indivíduos testados consumiram mais de 150 g de uvas passas por dia. Uma ingestão menor requer mais tempo para ter um efeito relevante.

 

Mesmo sendo benéfica pra saúde, é claro que a uva passa não precisa vir dentro de uma salada de maionese, no arroz ou na farofa. Particularmente, eu acho que elas combinam muito mais com panetone ou com castanhas e nozes, mas cada um pode escolher seu jeito de consumi-las.

Ficou interessado? Você pode acessar a pesquisa completa aqui.

Gostou do tema? Tem uma sugestão?

Comente aqui em baixo ou mande uma mensagem pra gente!

Queremos saber sobre o que você quer ler nas nossas próximas matérias!

por Patricia Sujii

sujiips@gmail.com

 

Referência

Schuster, M. J., Wang, X., Hawkins, T., & Painter, J. E. (2017). A Comprehensive review of raisins and raisin components and their relationship to human health. Journal of Nutrition and Health, 50(3), 203-216.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.