É difícil estabelecer quando uma profissão é ou não estressante, pois o sentimento de fadiga e estresse, como vimos, pode ser subjetivo e é pessoal. Mas de acordo com uma pesquisa feita em 2018 nos EUA, algumas profissões em especial são mais estressantes e, seus profissionais, mais propensos a desenvolverem a Síndrome de Burnout. O que é comum nessas profissões, de acordo com a pesquisa, são fatores como condições do ambiente adversas, pressões psicológicas, interação com o público (que nem sempre é educado e gentil), responsabilidade pelo bem estar, educação e segurança de outros, chance de se machucar ou de morrer.

Mas, então, quais são essas profissões? Militares, bombeiros e paramédicos, assessores de eventos, jornalistas, pilotos de avião e policiais. No contexto mundial entram nessa lista profissionais como professores, taxistas, médico cirurgião e até juízes de esportes.

Fonte: Shutterstock

 

No Brasil, basta uma rápida busca no Google Acadêmico (site com artigos científicos) para perceber que existem muitos estudos que tentam entender e melhorar a situação de estresse de profissionais de diversas áreas, como na educação (professores, tutores) e na saúde (enfermeiros e médicos), muito por conta do ambiente em que esses profissionais trabalham e também pelas pressões psicológicas que sofrem.

E as profissões menos estressantes? Bom, de acordo com a ciência, se você busca uma vida profissional mais tranquila, busque profissões como cabeleireiro, joalheiro, farmacêutico, entre outros.

Voltando à Síndrome de Burnout, muito relacionada a essas profissões estressantes, apesar de estar constantemente em evidência na mídia, ainda é difícil estabelecer de maneira clara e objetiva o que é essa condição. Por se tratar de sentimentos e sensações, ela pode ser confundida com outras condições, como a própria depressão, ansiedade e até com efeitos colaterais de medicamentos, por exemplo. Ainda não há um método ou exame que diagnostique com segurança e clareza a síndrome do esgotamento, mas não faltam estudos que tentem minimizar os sintomas e consequências que ela causa.

O tratamento para essa condição pode ser feito com medicamentos, terapias e mudanças na rotina e hábitos de vida. Mas, sobretudo, é fundamental entender que o trabalho não é a sua vida, mas apenas parte dela.

E antes que você se auto-diagnostique por estar se sentindo cansado e exausto e achar que tem a Síndrome de Burnout, é altamente recomendado buscar um especialista antes de tomar qualquer atitude.

Até a próxima,

Por Nathália de Moraes

nathalia.esalq.bio@gmail.com

 

Referências

[1] https://www.cnbc.com/2019/03/07/the-most-stressful-jobs-in-america.html

[2] https://www.prnewswire.com/news-releases/careercast-rates-least-and-most-stressful-jobs-for-2018-300580811.html

[3] https://www.careeraddict.com/stressful-jobs

[4] Imagem em destaque: https://www.shutterstock.com/pt/search/bombeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.