Nessa última matéria da série sobre a incrível variação encontrada nas relações entre os gêneros na natureza, vamos conhecer mais sobre o hermafroditismo sequencial. Um organismo hermafrodita é aquele que possui tanto órgãos reprodutores masculinos como femininos. Diferente do hermafrodita simultâneo que tem ambos os órgãos reprodutores funcionais ao mesmo tempo, o hermafroditismo sequencial ocorre quando o indivíduo é capaz de mudar de sexo ao longo da vida. O hermafroditismo sequencial pode ser encontrado em plantas, gastrópodes (como lesmas e caramujos) e peixes. Para saber mais sobre o hermafroditismo simultâneo, leia a segunda matéria da série (link).

Existem algumas espécies de peixe em que a mudança ocorre apenas de fêmea para macho. Esse tipo de hermafroditismo é chamado protoginia e é o mais comum entre os peixes. Os bodiões são um grupo de peixes em que a protoginia ocorre. O bodião de cabeça azul (veja a foto abaixo) vive em haréns, que são organizações sociais compostas por um grupo de fêmeas, seus filhotes e um macho dominante. Dentro do harém, também existe uma hierarquia entre as fêmeas, em geral determinada pelo tamanho do animal; desta forma o maior peixe é o dominante. Nesse grupo, quando o macho morre, a fêmea dominante muda para o sexo masculino e o peixe que era a segunda fêmea na hierarquia se torna a dominante.

Existem outras espécies de peixes que também são capazes de trocar de sexo de fêmea para macho, mas não têm o comportamento de formar haréns. Com uma estrutura social menos rígida, os mecanismos responsáveis pela mudança de sexo também podem ser mais flexíveis. O Thalassoma duperrey é outra espécie de bodião (veja a foto abaixo) que vive no arquipélago do Havaí e faz parte deste grupo. Neste caso, o estímulo que leva à mudança de sexo é a proporção de peixes grandes e pequenos no grupo que vive no local. Então a presença de muitos peixes pequenos estimula a mudança de algumas fêmeas para macho e a presença de muitos peixes grandes inibe essa mudança. [1]

Thalassoma duperrey (Fonte: https://www.flickr.com/people/maynard/)
Thalassoma duperrey (Fonte: https://www.flickr.com/people/maynard/)

Outro tipo de hermafroditismo sequencial é a protandria, em que um indivíduo nasce como macho e se transforma em fêmea ao longo da vida. Um exemplo de espécie com esse comportamento é o peixe palhaço, a espécie do Nemo (foto). O peixe palhaço faz uma associação simbiótica (benéfica para ambos) com anêmonas e vive em grupos sociais compostos em geral por dois adultos sexualmente ativos (um macho e uma fêmea) e entre um e três peixes jovens. Para saber mais sobre simbiose, leia o box.

Normalmente, todos os peixes-palhaço nascem com células imaturas de ambos os órgãos reprodutores masculino e feminino. Ao longo da vida, ocorre o desenvolvimento e amadurecimento dos órgãos reprodutivos em diferentes fases. Inicialmente, os órgãos masculinos se tornam maduros e os femininos continuam sem se desenvolver, então o peixe é funcionalmente um macho. Após esse período, o peixe entra na fase de transição, em que os órgãos femininos se desenvolvem, mas ainda não há produção de óvulos. Finalmente, os órgãos masculinos de degeneram e os óvulos começam a ser produzidos, então o peixe se torna uma fêmea. Em cada grupo, ou seja, em cada anêmona, o maior peixe é a fêmea. Quando a fêmea morre, o macho reprodutivo se torna uma fêmea e o segundo maior macho se torna o macho reprodutivo. Essa associação entre o sistema social, o ciclo de vida e a reprodução do peixe-palhaço pode ser considerada uma adaptação às condições adversas do ambiente, em que há muitos predadores e poucas anêmonas próximas umas das outras. [2]

Com isso, chegamos ao fim desta série de textos. Continue nos acompanhado e descubra mais sobre a natureza. Se existe um tema que te interessa e você quer entender melhor, escreva pra nós e mande sua sugestão!

Box

Simbiose é um tipo relação entre organismos de espécies diferentes em que ambos têm alguma vantagem. As 26 espécies de peixes-palhaço têm esse tipo de relação com 10 espécies de anêmonas. A principal vantagem tanto para o peixe como para a anêmona é a proteção. Os peixes-palhaço produzem um muco que os protege das células urticantes presentes nos tentáculos das anêmonas. Ao mesmo tempo, a presença do peixe-palhaço protege a anêmona do ataque de possíveis predadores. [3]

por Patricia Sanae Sujii sujiips@gmail.com

Referências
[1] Ross, R. M., Losey, G. S., & Diamond, M. (1983). Sex change in a coral-reef fish: dependence of stimulation and inhibition on relative size. Science(Washington), 217(4610), 574-576.

[2] Madhu, K., & Madhu, R. (2006). Protandrous hermaphroditism in the clown fish Amphiprion percula from Andaman and Nicobar islands. Indian Journal of Fisheries, 53(4), 373-382.

[3] Fautin, D. G. (1991). The anemonefish symbiosis: what is known and what is not. Symbiosis, 10, 23-46.Referências
[1] Ross, R. M., Losey, G. S., & Diamond, M. (1983). Sex change in a coral-reef fish: dependence of stimulation and inhibition on relative size. Science(Washington), 217(4610), 574-576.

[2] Madhu, K., & Madhu, R. (2006). Protandrous hermaphroditism in the clown fish Amphiprion percula from Andaman and Nicobar islands. Indian Journal of Fisheries, 53(4), 373-382.

[3] Fautin, D. G. (1991). The anemonefish symbiosis: what is known and what is not. Symbiosis, 10, 23-46.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.