ciencia-informativa-logo-nova

Nosso símbolo

Ao longo dos anos, pessoas têm usado garrafas ou qualquer recipiente vedado para mandar mensagens pelo mar. Marinheiros usaram para mandar mensagens para casa ou para avisar a outros navios sobre perigos; náufragos pediram socorro e mandaram a última mensagem de amor; e até cientistas usaram para tentar descobrir de onde vem a água do Mediterrâneo ou para relatar uma descoberta, caso não conseguissem voltar da expedição.

Nosso símbolo é composto por um erlenmeyer (recipiente de vidro muito usado em laboratórios), que aqui representa a pesquisa, e o papel dentro da “garrafa” onde estão as informações que mandamos de dentro da universidade para nossos leitores.

Nossa Equipe

Nós somos alunos e ex-alunos de graduação e pós-graduação da USP/ESALQ, Unicamp e UnB.

jaqueline-raquel-equipe-ciencia-informativa-2

Jaqueline Raquel de Almeida

Tenho 25 anos, sou de Jaú, uma pequena cidade do interior de São Paulo, mas moro em Piracicaba/SP desde 2010.

O que faço?
Sua bacharela e licenciada em Ciências Biológicas pela ESALQ/USP e atualmente sou aluna de mestrado pelo programa de Genética e Melhoramento de Plantas na ESALQ. Sempre fui apaixonada por genética e desde o primeiro ano da graduação desenvolvo projetos de pesquisa com genética de micro-organismos. Hoje trabalho com uma bactéria promotora de crescimento vegetal, isolada da Amazônia, que apresenta um grande potencial bioinoculante, sendo meu objetivo melhor compreender o processo de interação bactéria-planta através do sistema de quorum-sensing.

Por que estou aqui?
Tive a oportunidade de conhecer a ideia deste blog dentro do grupo ASM e me encantei com a possibilidade de compartilhar o conhecimento acadêmico com todas as pessoas que têm interesse sobre as novidades da ciência, sejam elas adolescentes, jovens, adultos, e até mesmo colegas do meio, que possam nos ajudar a melhorar ainda mais este canal de informação.

Maria Letícia Bonatelli

Tenho 29 anos, sou de Campinas mas moro em Piracicaba há quase 7 anos.

O que faço?
Bióloga formada pela UNICAMP e Doutora pelo Dpto. de Genética da ESALQ/USP. Atualmente, desenvolvo projeto de pesquisa no CTBE/CNPEM.

Por que estou aqui?
Sempre gostei da ideia de divulgar ciência, na graduação me aventurei um pouco nessa área e fui até parar na faculdade de Jornalismo da USP por um semestre. Hoje, com o blog Ciência Informativa, espero chegar um pouco mais perto do meu ideal de extensão universitária e, de fato, divulgar ciência para todos!

maria-leticia-equipe-ciencia-informativa-2
nathalia-moraes-equipe-ciencia-informativa-2

Nathalia Moraes

Nasci e cresci em Santa Bárbara d’Oeste, interior de SP, mas durante a graduação e o mestrado morei em Piracicaba/SP, uma cidade vizinha.

O que faço?

Sou bacharela e licenciada em Ciências Biológicas (f. 2013) e Mestra em Ciências (Genética e Melhoramento de Plantas – f. 2016), pela ESALQ/USP. Durante minha graduação e meu mestrado trabalhei em pesquisas relacionadas à genética de micro-organismos fitopatógenos, dentre eles a bactéria Leifsonia xyli subsp. xyli (causadora do raquitismo da cana de açúcar) e outras três espécies de fungos patógenos da uva Niágara Rosada, uma variedade de uva de mesa muito importante no Brasil.

Atualmente trabalho como professora de biologia e também escrevo semanalmente para outro blog temático de educação e ensino de ciências, o Coruja Bióloga (link aqui).

 

Por que estou aqui?

Sempre gostei de tecnologias, mídia e de poder compartilhar conhecimento com as pessoas, até por conta disso me tornei professora. A ideia de divulgar ciência em um site, aproveitando da facilidade que a tecnologia e a internet nos proporcionam atualmente, uniu perfeitamente esses dois gostos!Além disso, poder realizar workshops e eventos de divulgação científica, trabalhando em grupo, é muito proveitoso. É o momento de estender e dividir o que aprendi durante meus estudos e experiências profissionais com a sociedade. É o momento de levar a ciência para além dos muros da universidade.

Para mim, o conhecimento só é “realmente” conhecimento quando ele é compartilhado

Patricia Sanae Sujii

Tenho 31 anos e sou de Brasília, que é a cidade que escolhi pra viver.

O que faço?
Sou bióloga formada pela UnB e fiz mestrado e doutorado em Genética e Biologia Molecular na Unicamp. Minha especialidade é genética de populações e uso isso como uma ferramenta para ajudar a proteger e recuperar a biodiversidade. Além disso, também trabalho com ilustrações para publicações científicas e para livros e sou professora no UDF.

Por que estou aqui?
Nos últimos anos tive a oportunidade de conhecer muitas pesquisas muito interessantes das mais diversas áreas, porque tenho amigos que tiveram paciência de me explicar as coisas de forma simples e acho que todos deveriam ter acesso a esse conhecimento. Então, vejo esse blog como um meio de levar o conhecimento acadêmico pra fora da universidade.

patricia-sanae-equipe-ciencia-informativa-2
thomaz-offrede-equipe-ciencia-informativa-2

 

Thomaz Offrede

Tenho 22 anos e moro em Brasília, onde nasci e fui criado.

O que faço?
Sou estudante de graduação em Letras – Inglês na UnB. Estudei Psicologia por 3 anos, o que incentivou muito o meu gosto por ciência. Eu desenvolvo pesquisa sobre a omnipredicatividade do Tapirapé, língua falada por um povo indígena que mora na Floresta Amazônica.

Por que estou aqui?
Penso que a informação e o conhecimento são fundamentais para o desenvolvimento da qualidade de vida de uma população. Acredito, também, na quebra de fronteiras (especialmente linguísticas) quando se trata de compartilhamento de saberes.

Vinícius Borges

Tenho 21 anos, nascido e criado em Brasília.

O que faço?

Sou bacharel e licenciado em Ciências Biológicas, atualmente estudando para o mestrado. Já desenvolvi pesquisas em bioprospecção de venenos de sapos, anatomia de primatas e produção de proteínas recombinantes de Trypanosoma cruzi em Leishmania tarentolae. Basicamente, eu gosto muito de todos os aspectos da biologia. Atualmente sou monitor de Biologia e ministro aulas de violão.

 

Por que estou aqui?
Eu sempre fui um consumidor assíduo de diversas formas de divulgação científica – primariamente livros, vídeos e podcasts. Eventualmente, a ideia de que eu mesmo poderia divulgar as coisas que me interessam surgiu em minha mente, e eu comecei a desenvolver projetos de produção de vídeos na UnB e comecei a escrever para o meu site pessoal. Estou constantemente tentando melhorar a minha capacidade de explicar fenômenos complexos da forma mais simples possível, de modo a deixar a Ciência acessível para todos.

IMG_1746